Permaculturando – Inverno de 2010

Com a chegada do inverno, também nos recolhemos para um ciclo mais introspectivo, de reflexões. Recém chegado da Bahia, os novos aprendizados recolhidos durante os encontros que aconteceram me dão a certeza de que estamos caminhando já em um novo paradigma!

A Permacultura assim como uma metodologia de Design ecológico, também é tecida como rede de pessoas dispostas a praticar formas de vida mais simples, cooperativas e integradas ao espaço onde vivem. Inicialmente promovida no país pelos institutos criados nos anos 90, foi sendo pulverizada por Permacultores em diversas regiões com muita criatividade e inovação. David Holmgren criou a Flor da Permacultura, que aponta direções de conhecimentos uteis para ter um Design bem sucedido. Estes conhecimentos que vão além de boas práticas de manejo florestal e construções eficientes estão sendo úteis a todas as pessoas engajadas nas mudanças e em conquistar a autonomia e liberdade.

Os exemplos dos precursores do movimento na Bahia demonstram claramente que suas intenções ultrapassam os limites de um ou outro movimento, fortalecendo uma mudança de princípios. Já os institutos vêm trabalhando em cooperação, fortalecendo o movimento ambientalista, suas ações conjuntas e construindo uma estrutura fértil para que outros espaços também acompanhem esta evolução.

Em certas regiões, a interligação ao movimento agroecológico e outros movimentos sociais vem possibilitando novas pequenas redes biorregionais de praticantes e interessados nas convivências que vêm acontecendo. Isto tem facilitado a ampliação da rede, fortalecido as iniciativas menos formais e, principalmente, possibilitado que novos hábitos sejam disseminados e adotados por mais e mais pessoas.

Nos sistemas agroflorestais a presença de árvores de estrato emergente e alto é de percentual bem inferior o de estrato baixo, mais adensadas. As mais altas ficam espalhadas e possibilitam um ambiente fértil e agradável para que as novas gerações se desenvolvam. Trazer este aprendizado para nossas relações e estrutura possibilita visualizar estas organizações maiores e consolidadas servindo como fertilizadoras de novas iniciativas, menores e às vezes informais. Na natureza nada se perde tudo se transforma!

Boas vindas ao inverno, com toda sua essência!

*este texto foi editorial do Jornal trimestral do Instituto de Permacultura da Bahia, na chegada do Inverno 2010.

**Texto de Felipe Pinheiro, idealizador do Projeto Permacultura sem Fronteiras, focado na criação de redes de espaços educativos, demandas por ações em Permacultura e rede de ativistas parceiros da iniciativa espontânea e livre de Permacultura.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s